Comunicação
1

Instituir um Plano Estadual de Democratização da Comunicação

garantindo a participação ampla, direta e descentralizada da sociedade ao longo de todo o processo de elaboração e implantação;

2

Fomentar a comunicação como ferramenta de democratização da gestão pública

garantindo a transparência na gestão estadual e o acesso do cidadão a todas as informações necessárias para o pleno exercício da cidadania;

3

Integrar as ações e políticas de comunicação às demais políticas públicas do estado

de forma a constituir arranjos que contribuam para o fortalecimento de políticas integradas;

4

Contribuir para a ampliação da pluralidade e diversidade das fontes disponíveis de informação no estado

Saiba mais

☼ Fortalecer os instrumentos de participação popular para definição, monitoramento e avaliação das políticas de comunicação do poder público;

☼ Integrar os equipamentos de comunicação e cultura com unidades básicas de saúde, escolas estaduais, bibliotecas públicas e outros equipamentos estaduais, viabilizando políticas integradas de desenvolvimento local em todas as regiões do estado (Metropolitana, Noroeste Fluminense, Norte Fluminense, Baixadas Litorâneas, Serrana, Centro-Sul Fluminense, Médio Paraíba e Costa Verde);

☼ Capacitar agentes de comunicação, como radialistas e monitores de telecentros, para que eles sejam impulsionadores de processos de desenvolvimento local;

☼ Estabelecer mecanismos democráticos e transparentes para o investimento em publicidade oficial nos meios de comunicação, buscando: a) tornar públicos os critérios de distribuição das verbas e a execução orçamentária; b) evitar pressões indevidas tanto por parte dos governos como por parte dos veículos; e c) garantir uma distribuição de recursos que não tome a medida de audiência como único critério, permitindo o investimento também em pequenos veículos;

☼ Criar uma agência de notícias do Governo do Estado ou instrumentos similares que permitam reunir notícias de todas as áreas de governo, com distribuição eletrônica de boletim periódico;

☼ Implementar o Canal da Cidadania (canal de televisão aberta estadual) promovendo a participação da sociedade civil no planejamento do funcionamento do canal;

☼ Criar uma política de divulgação e informação dos programas sociais do Governo do Estado que dialoguem com os veículos comunitários e com espaços públicos como escolas, associações de bairro, etc;

☼ Contemplar a educomunicação e leitura crítica da mídia nas escolas estaduais, estimulando a prática transversal do tema nos espaços escolares;

☼ Incentivar e promover experiências e projetos de educomunicação, em parceria com organizações da sociedade civil, direcionados à população local;

☼ Construir um programa de formação em Educomunicação para os educadores das escolas estaduais, possibilitando o conhecimento da metodologia e a apreensão e utilização crítica dos conteúdos midiáticos;

☼ Estimular e promover iniciativas voltadas para a Alfabetização Digital, incluindo escolas, Lan Houses e programas de inclusão, possibilitando a apropriação e qualificação do uso da rede;

☼ Apoiar as rádios comunitárias localizadas no estado, com a criação de um fundo para distribuição de verbas para suporte à estruturação, apoio técnico, capacitação, investimento em equipamentos e manutenção e funcionamento das mesmas;

☼ Apoiar o processo de instalação e desenvolvimento das rádios comunitárias no estado, estabelecendo diálogos com o Ministério das Comunicações e com as associações que pleiteiam serviço de rádios comunitárias, especialmente no que se refere às questões técnicas do processo de instalação;

☼ Desenvolver Plano Diretor participativo de Radiodifusão Comunitária, definindo o estabelecimento de áreas de execução no estado;

☼ Revisar a destinação das verbas publicitárias com vistas a garantir maior participação e pluralidade na comunicação do estado, destinando verbas publicitárias institucionais a veículos de comunicação locais, sejam comerciais de pequeno porte ou alternativos e populares, organizados por distintos grupos, como associações de moradores, grupos de jovens, entidades comunitárias e coletivos de mulheres;

☼ Estabelecer uma política de financiamento e apoio às mídias populares e alternativas, com editais públicos premiando com recursos a mídias populares e editais de fomento à criação e desenvolvimento de novos meios de comunicação populares e alternativos, ampliando o potencial produtivo destes públicos;

☼ Realizar periodicamente a Conferência Estadual de Comunicação, espaço deliberativo para aprovação de diretrizes para políticas de comunicação para o município e para a atuação do conselho municipal de comunicação: a periodicidade deve dialogar com o processo nacional de realização da Conferência Nacional de Comunicação, que teve sua primeira edição realizada em 2009;

☼ Constituir um Conselho Estadual de Comunicação, com maioria de representantes da sociedade civil, para formulação, implementação, fiscalização e monitoramento das políticas estaduais de comunicação;

☼ Criar Centrais Públicas de Comunicação – ou pontos de mídia –, geridas por conselhos públicos, com participação majoritária da sociedade civil local, que funcionem como espaços para produção cidadã e que estejam ligadas a espaços de distribuição (veiculação ou circulação) dessa produção, tendo por objetivo integrar os telecentros, rádios comunitárias, estruturas de produção das escolas e centros educacionais, pontos de cultura e outros equipamentos culturais do estado.

Todas as propostas

Programa de governo

A candidatura dos professores Tarcísio Motta e Ivanete Silva é a nossa oportunidade de construir um futuro com mais justiça e dignidade para todas e todos. Juntos, vamos libertar o Rio das garras dessa máfia que ninguém aguenta mais e construir um novo modelo de governo. Com as pessoas e para as pessoas.
baixe o programa

Financie

ELES TÊM ESQUEMAS, NÓS TEMOS UNS AOS OUTROS

Do lado de lá a máfia da velha política conta com os mesmos candidatos de sempre, todos financiados pela corrupção que arruinou o estado.

Já o Tarcísio sempre apostou na contribuição individual em suas campanhas. Nunca aceitou dinheiro de empresa. E aquilo que pra gente sempre foi uma questão de princípio, agora virou regra: nessas eleições só pessoas podem realizar doações para candidatos.

MAIS DO QUE NUNCA, VOCÊ PODE FAZER A DIFERENÇA!

doar agora